Porque é tão difícil ser mais ativo?

Porque é tão difícil ser mais ativo?

Muitas pessoas se perguntam: porque é tão difícil ser mais ativo?

Já que a mídia passa tantos programas e reportagens falando dos benefícios do exercício (todo mundo já sabe), os médicos incentivam, os nutricionistas falam da importância, o profissional de educação física vem ganhando cada vez mais espaço, mas ainda existem 18 milhões de pessoas sedentárias no Brasil, que já é o segundo país do mundo em número de obesos.

Já está mais do que comprovado que quem se movimenta vive mais, no entanto, isso ainda não é suficiente a nos motivar para uma prática de exercício físico orientado. Mesmo com tanta informação sobre o assunto, não está claro o que leva o indivíduo a começar um exercício físico e manter este hábito para sempre. Talvez porque o “pra sempre” assuste, ou porque alguns pensam “Exercício físico não é pra mim!” ou ainda porque a concorrência é desleal mesmo: falta de tempo, grande oferta de alimentos gordurosos e pouco nutritivos de fácil acesso, falta de recurso financeiro, a violência que nos gera um medo de ir as ruas, a tecnologia, enfim…

No entanto, todas essas justificativas têm solução.

Pra começar, seria interessante fazer uma reflexão consciente que fazer exercício deve ser entendido como um hábito sem negociação, assim como escovar os dentes, não dá pra parar. Mesmo de férias ou viagem ou com tempo reduzido, é indispensável se mexer. Entender que hoje minha relação com o exercício é reflexo das experiências e exemplos na infância, pode ajudar também nesse momento. A semana tem 168 horas, quantas dessas consigo me movimentar? Se houver dificuldade em internalizar e colocar em prática esta proposta, uma boa dica seria buscar ajuda em livros, terapia, meditação, ou qualquer outra ferramenta que ajude a reconhecer o exercício físico como NECESSIDADE BÁSICA.

Em seguida, é importante despertar a nossa percepção para a atividade física (AF) e o exercício físico (EF) (AF:dia a dia; caminhar para o trabalho, trocar a escada rolante pela escada tradicional, optar por lazer ativo; EF: orientado e planejado por um profissional de educação física). Descobrir o que mais gosta de fazer, qual atividade tem mais haver com seu perfil, necessidade e preferência. Tudo isso pode ser simplificado procurando um profissional de educação física para fazer as avaliações e orientações adequadas e se necessário trocar informações com outros profissionais que cuidam dessa pessoa (nutricionistas, fisioterapeutas, médicos, etc).

Logo depois é necessário colocar o exercício físico semanal em sua rotina, como um compromisso e prioridade (caso contrário, não funciona) e exercitar a disciplina por pelo menos 3 meses que é o tempo mínimo que o cérebro necessita para entender que aquele novo estímulo agora tornou-se hábito.
Por fim, passados os 3 meses, é necessário reavaliar o processo pra identificar se o caminho proposto foi o ideal, se os resultados foram alcançados, reavaliar as metas, perceber quais foram as dificuldades e como lidar com ela e por fim, reconhecer as conquistas nas pequenas coisas, pois é nisso que se fortalece nossa autoestima e nos ajuda a encontrar a tão idealizada qualidade de vida. Que tal começar hoje?

para muitas pessoas cninguém ainda encontrou uma metodologia que motive, tire o indivíduo de casa para procurar um profissional de educação física para saber sobre qual exercício é mais conveniente, qual tipo de atividade se adapta àquele indivíduo à sua realidade, em suas condições de saúde.

Acredito que a resposta à nossa pergunta seja: a concorrência é desleal. O mundo tecnológico que veio para nos ajudar em muitos aspectos, hoje talvez esteja também sendo um dos responsáveis desta vida tão parada. A oferta de comida saborosa e de fácil acesso a todo momento, o uso excessivo de automóvel, a violência que gera um medo de sair de casa, deixar os filhos brincarem na rua, o sono irregular que nos deixa sem energia e fadigados, o excesso de trabalho que consome nosso dia e nos consome e o famosa e tão justificada, falta de tempo.

 

Não deixe só para quando o Verão estiver chegando para deixar a preguiça de lado e começar uma atividade física. Parece contraditório, enquanto estatísticas da OMS apontam que no Brasil cerca de 18 milhões de pessoas são sedentárias e não praticam qualquer tipo de exercício, resultado do desenvolvimento de diversas tecnologias e o modo de vida atual, que diminuem ao máximo o esforço humano em tarefas cotidianas.

A Organização Mundial da Saúde recomenda 150 minutos de atividade moderada, por semana, para manter a condição de saúde e reduzir o risco de desenvolver doenças crônicas. No entanto, para os indivíduos que desejam perder peso e, o ideal é 250 minutos de atividade intensa diária.

Por isso, não espere mais. Atividade física é indispensável para o ser humano, afinal somos feitos para o movimento. Muitos se perguntam qual atividade escolher, como se mexer, em qual lugar, etc. Não importa, qualquer momento é hora de ser mais ativo. Pode ser trocando o elevador do prédio pela escada, optar pela bike nos finais de semana, ir até um parque e brincar com filhos, conversar com os amigos ao invés de sair para tomar café ou assistir a um filme, estacionar o carro mais longe que o normal em todos os lugares em que for e, claro, praticar um exercício físico que tem a ver com você e dê prazer.

Vale qualquer atividade, o importante é não ficar parado por um longo período no dia. Atividade física é imprescindível para elevar a condição de saúde de todos os indivíduos. Uma simples corrida, por exemplo, traz inúmeros benefícios como a melhora da qualidade do sono, autoestima, cognição e favorece a aprendizagem. Sem contar que restringe o risco de várias condições crônicas entre adultos como doenças coronárias, hipertensão, diabetes, desordens metabólicas bem como de diferentes estados emocionais maléficos como o estresse e a depressão.

Não espere para descobrir a falta do movimento na sua rotina. Procure hoje mesmo praticar atividade física e sentir um novo jeito de viver, com mais disposição, ânimo, valorização e saúde.

* Rafaela Tabalipa, educadora física, especialista em Fisiologia do Exercício e Acupuntura e proprietária da Twit Academia

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Top